5 de outubro de 2018

O PT não aprende


'Elite' está de saco cheio de ser tratada como fascista
4/10/2018
Folha de S. Paulo
Fernando Haddad culpou o “fascismo da elite” pelo aumento de sua rejeição. O PT não aprende. Não entende que o crescimento, e possível vitória, de um candidato raso de ideias e grosso no autoritarismo não é porque a “elite”, da qual a classe média faz parte, é fascista. É porque ela está de saco cheio de ser tratada como tal e apontada como responsável por todos os males do país, enquanto o partido dele age como se não tivesse nada com isso. 
Há diferença entre o eleitor-raiz de Bolsonaro e aquele que apenas votará nele num eventual segundo turno contra Haddad. No entanto, o que eles têm em comum é que a maioria cansou não apenas da roubalheira do PT, mas também de ser chamada de machista, racista, homofóbica. Está exausta de ouvir que rico não tolera pobre em avião ou na universidade (há gente assim, mas uma parte ínfima e risível da sociedade). Cada vez que alguém diz que todo homem é um estuprador em potencial, que tem nojo da elite, que Lula será solto, Bolsonarofica mais perto da Presidência.  
Veja o que ocorreu no fim de semana. A manifestação orquestrada por um grupo de mulheres foi histórica e elas serão uma oposição barulhenta, caso o deputado se eleja. Mas a expectativa de mostrar força e resistência saiu pela culatra, porque o #elenão sem Haddad no pacote desceu arranhando a goela como apoio velado ao PT. Protestar contra misoginia não comove ninguém se a corrupção é tratada como mal menor. 
Petistas não aprendem, simpatizantes do partido também não. Artistas têm sido cobrados pela bajulação ao PT, pela falta de autocrítica e por omissão. Não dá para gritar contra um candidato que diz atrocidades e se calar em relação a um partido que mergulhou o país numa crise política, econômica e social desse tamanho. Pau que bate em Chico deveria bater em Francisco. 
E o PT precisa mudar o lado desse disco velho do “nós contra eles”, da elite X povo. Não cola mais.
Mariliz Pereira Jorge
Jornalista e roteirista de TV

1 de fevereiro de 2018

Apresentação de meu livro de crônicas "A casa e outras crônicas e memórias"



Apresentação ao livro de crônicas
"A casa e outras crônicas e memórias"



Um cronista da memória

por Luiz Alfredo Raposo

“Não faça versos sobre acontecimentos” — é receita bem conhecida de Drummond. Mais longe vai outro Carlos, esse o pernambucano Pena Filho. Como se fora um velho lente em aula prática de manipulação, a bata branca entre tubos e retortas, ele ensina no soneto: “Tome um pouco de azul se a tarde é clara”. E este azul de céu sem nuvem, de céu mariano, é apenas outra forma de não-acontecimento.

Ah, esses poetas farmacêuticos... Tivessem eles próprios seguido seus preceitos, e não seríamos hoje legítimos legatários do ouro todo de joias como O desaparecimento de Luísa Porto, A morte do leiteiro, O padre e a moça. Ou de um cordel encantador, como é o Episódio sinistro de Virgulino Ferreira, narrando a chegada de Lampião em Vila Bela (“Volta Seca, solte os presos/ que o mundo já é prisão”). Mas a fórmula que eles produziram ainda assim tem a sua utilidade: invertido o sinal, ela se transmuda — como que por arte de alquimia — na fôrma canônica do gênero “crônica”. Sobre acontecimentos esta se faz. O cronista clássico é o viajante profissional, sentado à janela, com a obrigação contratual de comentar a paisagem. O mundo, seu país, sua província, sua cidade, sua rua. Sempre em certos dias e em tantos toques.

É isso: comentário, antes que ensaio. Trabalhador de jornal, o cronista apanha o serviço onde o repórter deixou. Escolhe dentre a produção deste, sempre apressada, o que o tocou mais, e lhe acrescenta o condimento do humor. A graça dançarina do sorriso, disse Gustavo Corção a propósito do Machado cronista. Sorriso branco de carmelita ante o feliz. Um neto, por exemplo, em flagrante de reinação. Esgar swifteano frente ao grotesco, à sem-razão. Ou riso escarninho e feroz, de dentes à mostra, em resposta às brutalidades do mundo. Só não vale chorar... Por revestir características tais, de guisado de prosa e poesia, trata-se de gênero muito mais difícil do que a princípio parece. Não está obrigado a deixar de ser jornalismo, aprofundando o trabalho do repórter na busca do que-quando-onde-como. Nem a ser quase-literatura, entre literatura e jornalismo. Pode ser literatura da boa.

Lino chega lá. E começa que o gênero lhe cai bem. Prova é que, por anos a fio, ele vem entregando a mercadoria na especificação acertada. Toda semana. De uns tempos para cá, toda quinzena. E, não que eu saiba, por interesse material, mas pelo puro prazer de fabricar e entregar. E ainda, estou certo, pelo de exercitar aquela aplicação anglo-saxônica que, no ambiente ianque do meio oeste industrial americano, onde viveu vários anos, acaso terá descoberto ser também algo sua. O presente volume é uma amostra representativa dessa produção, em seis anos de labuta (de 2003 a 2008), no eito jornalístico de O Estado do Maranhão.

Como reza o figurino, nosso autor fala quase sempre de um assunto da hora, sacado das manchetes, ou acontecimento vivo e recorrente, zoando na cabeça dele e do leitor. Mas o leitor de hoje constatará que Lino não é o cronista da sua cidade stricto sensu. Das dores e alegrias de um personalíssimo dia a dia (em Fortaleza, houve um jornalista, esqueço-lhe o nome, que, durante muitos anos, fazia num dos jornais locais sobre esses assuntos miúdos uma Crônica da Cidade Amada. Bonito nome para a obra de um cronista municipal...). Insurge-se ele, é certo, contra os maus costumes urbanos: a música alta demais, tirando o sossego dos vizinhos; o abuso da buzina; o estacionamento em locais proibidos; as filas duplas na porta das escolas; o desrespeito aos sinais de trânsito; os abusos dos cachorros de luxo e de lixo nas promenades pelas calçadas e praças. E sobretudo usa de todo seu poder de indignação para verberar numa crônica o desrespeito à lei seca no trânsito (“o equivalente da Lei de Responsabilidade Fiscal na economia”) e denunciar a tragédia que provoca no país (“50 mil mortos num ano”, “mais do que os eua tiveram na guerra do Vietnam”). Mas são, esses, problemas característicos, antes de um país e uma época, do que de sua São Luís.

Na verdade, a pauta do nosso cronista bota mais longe. Das 75 crônicas, algo como 30% tratam de assuntos econômicos e políticos de âmbito nacional ou internacional. Curiosamente, a partir de 2005. Nos dois primeiros anos, tema dessa natureza só uma vez é abordado, e já no finzinho de 2004. Ainda assim, ao sentir Lino ganas de desmanchar no ácido da ironia a obsessão de algumas entidades com a ideia de uma auditoria na nossa dívida externa. Objeto de uma esdrúxula disposição transitória da Constituição de 1988, de há muito perempta àquela altura. Mas era o clima! O ameno período inicial do governo petista, em que se colhia (inclusive os cronistas!) o pomar maduro deixado pelo antecessor. E o pt ainda xingava a colheita benfazeja de herança maldita... Nos anos seguintes, alterada a cena , vem o vernissage satírico das feridas expostas do petismo: numa meia dúzia de textos, os desdobramentos do Mensalão e o desmascaramento ético do partido no poder (“antes queriam ser diferentes, agora, iguais”). A passividade ante a expropriação dos ativos da Petrobras pelo governo bolivariano de Evo Morales e a “compreensão” compreensível, mas injustificável ante o fechamento por Chávez da rede de televisão oposicionista rctv (um ato legal e democrático, segundo Lula). O apagão aéreo no auge, em fins de 2006, resultado direto da falência da Varig, que um governo menos infectado pelo vírus antiprivatista teria evitado (talvez tivesse feito um “Proer da Varig”: estatização, saneamento, entrega dos culpados à Justiça, reprivatização em leilão de bolsa). O abuso dos cartões corporativos, no âmbito federal, financiadores de uma gastança escandalosa (e criminosa), e a tapeação das pseudossoluções anunciadas pelo governo, na verdade para esconder, mais do que para resolver.

Fazendo numa crônica um balanço da privatização da telefonia, mostra, contrariamente aos slogans petistas, a notável democratização resultante e os enormes benefícios trazidos por ela às pessoas comuns. Antes, telefonia era “coisa exclusiva da elite”. Mas alerta que, para garantir esse novo pão, “o telefone nosso de cada dia”, há que estar de olho no perigo sempre vivo da monopolização. Desmascara a embromação do pac: pouco mais do que uma sigla publicitária, que só produzia o impressionante total quadrienal de r$ 0,5 trilhão ao juntar os investimentos cobertos pelo orçamento fiscal (na grande maioria de inclusão forçada, “mesmo sem plano nenhum”) com os privados e os das estatais. Os primeiros, meras estimativas. Quanto às estatais, algumas com ações em bolsa, questiona o sentido de falar em impor a elas investimentos que teriam de ser antes combinados com os “russos”, o mercado. Ante a escandalosa falta de ética e de etiqueta da nossa vida congressual, mais uma vez exibida em episódio recente, tem um instante de saudosismo. Evoca os senadores que Machado descreve em O Velho Senado. Em majestosas sobrecasacas, com suas barbas solenes e seus latins, eles foram atores de um período de consolidação da unidade nacional, é certo. Mas de crônica paradeira, que nos empurrou para trás no mundo, em termos econômicos. É o que constatou em números a historiografia moderna de um Jorge Caldeira.

Mas Lino, acusando uma vez mais as influências ou afinidades anglo-saxônicas, não é de pensar só com a cabeça ou com o coração. Está sempre a procurar com as mãos, atento aos detalhes, um jeito melhor de fazer, de resolver. Numa peça antológica, mostra o despropósito da política de cotas raciais implantada pelo governo Lula. Política que instituiu uma discriminação às avessas e, sobretudo, prejudicial, porque adversa ao princípio do mérito. E apresenta a alternativa adotada com sucesso pelas universidades americanas (e pela Unicamp nossa) da pontuação compensatória: a atribuição aos grupos menos favorecidos, não-brancos ou oriundos da escola pública, de um certo número, igual para todos, de pontos adicionais às notas obtidas no exames. Uma lambuja, em dialeto de menino, com o que se nivelavam as desvantagens iniciais de preparação, sem ferir a hierarquia do mérito. Não adiantou, dez anos depois as cotas permanecem intocadas... Enfim, para não me alongar mais, num texto de setembro/2008 ele mostra o economista moderno que é, ao comentar o socorro massivo, o giga-Proer que o governo americano (seguido depois, dos europeus e asiáticos) estava a conceder ao seu sistema financeiro, ameaçado de bancarrota pela crise do subprime. Os de esquerda diziam tratar-se de medida neoliberal, protetiva dos grandes interesses. A direita radical acusava-a de comunista, uma intromissão do governo num problema que cabia ao mercado resolver sozinho. Mas Lino sabe das coisas e argumenta: “o uso do dinheiro do contribuinte servirá ao fim de impedir que pouco mais adiante ele se veja sem emprego e sem renda”. Não deu outra, as economias maduras aguentaram o tranco, o sistema financeiro readquiriu um mínimo de saúde, sem grandes prejuízos nem ao emprego nem à renda. Os governos estavam certos, a avaliação de Lino, correta.

Noutra direção, dos assuntos culturais, o cronista traz a sua cidade notícias e recados de cidadão do mundo, de um clube do qual é sócio. Um desses recados é a acolhida sem reservas que faz ao reggae, cuja absorção ele vê como parte de um enriquecedor comércio intercultural. E com uma ponta de emoção, também como um épico, um episódio vivo da aventura humana. Onda vinda do Caribe até o Maranhão de praia em praia, deixando em cada praia um sotaque. Em dois fevereiros, em nome do direito da festa para todos, insurge-se contra o que chama de concentração do carnaval, crescentemente tornado, em São Luís e no resto do país, um espetáculo de show business, em que uns poucos brincam e os demais veem (ou não). Aponta, certeira e paradoxalmente, a relação de causa e efeito disso com o patrocínio oficial, que o festejo passou a ter nas últimas décadas. E escarnece de deformações associadas, como a ridícula adesão a padrões de fitness que levaram (só por um momento, felizmente) aos reis momos magros e malhados. Papai Noel é presenteado em dois Natais. É que para o avô de Davi, o Bom Velhinho vale mais do que uma tradição: é um mito, uma dessas mentiras poéticas nas quais é gostoso acreditar. Os mitos, aliás, sustentam os antropólogos culturais, são coisa muito séria, cumpriram o papel humanizante de unir, criar lembranças e emoções comuns, e assim transfigurar a horda humana em tribo. E como, dizem, a magia nunca se conclui, a cada manhã precisamos deles para levantar e prosseguir. Enfim, Lino comenta o centenário de morte de Machado de Assis, falando do avanço de seu prestígio. E por um método (de novo!) de scholar anglo-saxônico, de professor de departamento de letras de universidade americana: usa as estatísticas de referências bibliográficas (a simples ideia que teve de obtê-las já me fez pasmar!), para aferir a crescente presença do bruxo de Cosme Velho nas mentes e nos corações do mundo inteiro. O tempo a confirmar seu valor universal, para a alegria do machadiano devoto da Ponta d’Areia. Que é também a de muitíssima gente. Diria o agregado José Dias que o culto a Machado é hoje parte do catolicismo da literatura...

Lino, acabo de dizer, é um cidadão do mundo plantado à beira-mar de São Luís. Mas, ao mesmo tempo, uma voz do mundo-Maranhão. Às páginas tais, propõe como programa “falar de sua aldeia para falar do mundo”. É o que faz quando valoriza a produção cultural autóctone, a ponto de, aos que não conhecem sua propensão importadora, talvez parecer um chauvinista. Veja-se sua crônica sobre a extraordinária experiência da Companhia de Dança Cazumbá. Ou sua devoção ao ciclo inteiro do São João, ritos, ritmos e danças, que ele vê como o verdadeiro Carnaval do maranhense. E, digo eu, do nordestino em geral. O mais é a valorização do décor, que ele, de propósito, bota de personagem eminente nas crônicas “locais”. A São Luís que eu, olhando do lado de fora, desde menino vejo como que encerrada numa redoma, contando seus séculos de história. Uma urbe, mostra ele, apegada a suas ruas e praças, que orgulhosamente insiste em chamar pelos amoráveis nomes batismais: rua Grande, da Paz, do Sol, da Cruz, de Santaninha, dos Remédios, do Passeio, praça da Alegria, antigo largo da Forca Velha (quer dizer, veio depois outra mais nova...), largo do Carmo. Aí, pelo menos, é minha impressão, não conseguiram desembargadores, senadores, governadores imortalizar seus nomes às custas da história e da tradição popular.

Mas às vezes acontece que nada acontece. Ou então os acontecimentos entediam, como aconteceu a Valéry. E esse é o teste revelador do cronista, a prova da trivia. Que a Rubem Braga, deu ocasião de acompanhar três dias seguidos de acrobacias de uma borboleta amarela pelo centro do Rio (sim, naquele tempo o maior cronista do Brasil trabalhava na diária como uma faxineira!). Para Lino é justo quando ele costuma receber as visitas da graça. E ei-lo que brinca com o uso vicioso do “enfim” e outras palavras. Graceja com árbitras e bandeirinhas de futebol de bela plástica e nomes bonitos. Ridiculariza o mandado de prisão contra o cachorro Bingo, caso levado até o Tribunal de Justiça do Maranhão. Zomba de uma iminente guerra entre Piauí e Maranhão por conta da tentativa de deportação do Coragyps atratus, o popular urubu preto, réu do crime de interferir no tráfego aéreo do Estado vizinho. Escarnece da moda das dietas de nomes chamativos e dos espertos que tiram proveito da vaidade humana com seus chás e publicações. Inventa um profeta que tranquilamente anuncia o fim do mundo. Arremeda os videntes de Ano Novo e suas previsões nunca checadas. Ri do caráter do morcego (Rhinolophus ferrumequinum!), que, pior do que o Palhares rodrigueano, que beijava as cunhadas pelos corredores, faz sexo com a sogra e até com a avó de sua mulher. Propõe uma campanha nacional de levantamento de fundos para erguer uma estátua ao Honesto Desconhecido, o único deputado estadual de Rondônia, de nome não revelado, a não se envolver em falcatruas então descobertas por lá. Comenta, num risonho ceticismo, o caráter volátil da Dietética, sujeita a reviravoltas espetaculares. O comentário, de 2008, era motivado pela novíssima constatação de pesquisadores americanos de que a tão difamada manteiga não fazia mal algum. Seria tão sadia e inocente quanto... a margarina! Coitada, alguns anos depois, esta é que se vê lançada na geena, no rol dos alimentos comeu-morreu. Sua produção está em queda livre. Não resta dúvida, nada muda mais do que os preceitos da Dietética. Mais do que o desenho dos sapatos femininos. Mais até do que o passado...

Falei não ser Lino um cronista municipal. Mas há momentos em que ele é definitivamente do seu chão. Por exemplo, quando relembra amigos recém-falecidos: o barbeiro Djalma, leitor dos clássicos brasileiros e portugueses; o cronista Oliveira Ramos; o doido oficial de sua primeira mocidade, Rei dos Homens, a quem tributa uma crônica emocionada e pungente; o arquiteto norte-americano John Gisiger, benfeitor da cidade, de cujo patrimônio arquitetônico ajudou a cuidar; José Aniesse, querido amigo de infância no Monte Castelo; Lucy Teixeira, figura literária de projeção nacional (na juventude, organizou com o adolescente Ferreira Gullar o Congresso Súbito de Poesia!) e amiga temporã. A ela agradece pelo estímulo que recebeu, no início da carreira literária.

Ou quando de alguns, vivos, comemora vitórias. É o caso de Mílson Coutinho, “repórter de coisas antigas”, saudado no lançamento de livro sobre ouvidores-gerais e juízes de fora do período colonial; ou de seu ex-professor Raimundo Lobato, que vinha de receber a láurea de cidadão maranhense; ou do poeta oitentão José Chagas (andando com Lino, um dia eu lhe vi um soneto grafitado num muro de São Luís! E o fato feito foto produziu um microssismo poético em meu clã recifense). Por último, mas não menos notável, para dar as boas vindas ao neto Davi recém-nascido, o autor pula a cerca e na fôrma da crônica exara um poema.

Sobre outros, deixa o território da crônica e escreve sem evento-base nenhum. É um papo gratuito, por pura precisão de compor um cantar de amigo. Zagalo, de quem é fã confesso, é um deles. De Tribuzzi, que há tempo se foi, fala a saudade. Narra episódios da convivência profissional e pessoal, e conta do ser humano por detrás do grande poeta, amigo dos amigos e das coisas simples. No ex-presidente Sarney, destaca finamente: a hostilidade recebida viria sobretudo de suas qualidades de craque político, que os adversários não conseguiriam emular... A lista (que é apenas amostral) evidencia em Lino os dons do afeto, a queda para a philia ampla, sem aduana nem tarifas. São todos recebíveis, gente pobre e gente rica...

Também fora dos limites estritos da crônica, baseado sobretudo em ex-acontecimentos ou em recordações de fatos antigos que não deram no jornal, há um bairro para os seus. A maioria dos quais já dormiam profundamente, à época da escritura. O tio Cursino merece duas matérias, a última, por ocasião de seu falecimento aos 91 anos. Ainda adolescente, em meados da década de 30, fugiu de casa. Como se ditasse com a própria aventura a letra daquela canção de Caymmi, “pegou um Ita no norte e foi pro Rio morar”. Ser jornalista (e gauche na vida, sina muito Raposo, muito nossa). Para o sobrinho fascinado, ele será sempre alguém que, “ao nascer, já possuísse todas as letras da língua portuguesa”. A propósito de um robô americano acabado de pousar no solo de Marte, Lino recorda um programa de uma emissora de rádio de São Luís (decalcado de Orson Welles), simulando uma invasão da cidade por tropas marcianas. E isso o leva à figura de Haroldo Raposo. Aquele que, ao ouvir a notícia, num gesto característico, bota o pau de fogo nos quartos e vai para a esquina esperar os homenzinhos verdes, disposto a trocar sua vida pela de uma penca deles. Era o meu (o nosso) tio Dom Quixote. Um Dom Quixote do Anil, serventuário e casado, “quotidiano e tributável”. E que alcançou a suprema ventura de ter Dulcineia no ofício de Sancho Pança... Lino evoca também o tio-avô Maneco e a avó Marcelina, dois irmãos ranhetas frente a frente no jogo da bisca. E o duelo sempre repetido e nunca resolvido ensinava ao menino as humanidades animais: “astúcia, alerta, medo, incerteza, agressividade”. Sua mãe, minha tia Maria... O retrato de Lino é contido e fiel, em meio à dor da perda. Conheci-a, eu ainda muito menino, ela beirando os 30. E confirmo: parecia uma portuguesa bonita, louçã, tinha o caráter firme, zelos de uma mãe do reino animal (com um medo pânico das más influências de alguns meninos da vizinhança, “pequenos sem costumes”). E ainda hoje ela me sorri com aquele sorriso.

Esses parentes todos hoje habitam, como disse, extramuros, no subúrbio vivente da memória. Noutro setor deste, estão a infância profunda e a primeira mocidade, de que nos é dada, em forma de crônica, uma dezena de retratos. Destaco só alguns que bolem mais comigo. O livro começa com Lino contando como um ônibus comercial de seu pai, o Cara chata, por um descuido, meteu-se bem no meio de um trágico entrevero político local, nos idos de 1951, que resultou em perda de vidas. E, milagre ou corpo fechado, o ônibus voltou do tiroteio indene e inemotivo, como um espécie de Burrinho Pedrês mecânico. Noutra página, narra o sempre doloroso rito de passagem, a entrada na escola. Num jardim da infância da praça da Alegria. O tom (o páthos) a mim lembrou um enjeitado numa roda, exposto à curiosidade da praça. E ele, muito quieto e retraído. Aliás, a primeira impressão que me deixou o primo mais novo foi de molengo, pouco combativo. Menino psicanalisando outro menino, eu estava longe de adivinhar o bravo, o valente que a vida revelou. Que neste livro mesmo não teme apontar o dedo para um profissional que julgou remisso, ao tratar de sua mãe enferma. Relembra o cronista os médicos de família de seis décadas atrás, ao focalizar um deles de sua hagiografia afetiva: seu pediatra Dr. Amaral de Mattos. O respeito que ele inspirava a sua mãe e a ele próprio, doentinho, já era meia cura andada... A circunspecção, os usos e costumes clínicos, a letra indecifrável — tudo comunicava-lhe uma certa aura sobre-humana de instituição. Para o que contribuía o próprio nome, com um quê de razão social...

Orestes... E, aqui, as memórias de Lino se misturam com as minhas. Uma única vez o vi, quando estivemos em São Luís, em 1954. E minha visão é muito vaga: um paletó de brim e talhe barnabé, vestígios de espinha... E um genuíno afeto pelo tenente meu pai. Sua visita, decifrei, era a anunciação de um bem geral e imenso. E esse o segredo que guardei. Dois anos depois, informa Lino, Orestes tombou (acaso levasse ainda o velho paletó surrado), num conflito entre duas facções da polícia militar. Sem ter nada com aquilo. Vítima de uma bala rigorosamente perdida, já que as duas frações usavam armamentos iguaizinhos. Vítima também, talvez filosofasse alguma alma shakespeareana, do destino que há nos nomes...

Apesar de o conteúdo memorialístico não exceder 20% do total, seu impacto foi forte, confesso. Por aí, terá o leitor um começo de avaliação: uma testemunha do poder evocativo do cronista. E isso explica o título dado a esse estudo-apresentação. Lino, um cronista da memória. E vou além: Lucy Teixeira lhe cobrava contos. Eu espero um livro de memórias. Até já o vejo sendo feito e me agrado do feitio. Quadros compostos no molde da crônica, em regime de dieta lírica. Formando blocos soltos, que aos poucos são completados, ajustados e unidos a outros num todo inteiriço. Como fizeram os operários com o telhado do Cine Monte Castelo. Um desses blocos eu aguardo com ansiedade: aquele em torno de um Carlos especial, meu tio Carlos Saturnino Moreira, pai do autor. Para mim que o conheci e li Guerra e paz, um santo maçon de Tolstoi.

Exibi os naipes, as cores temáticas das crônicas. Faço, agora, uma breve referência ao desenho das cartas. Ao estilo literário, ao modo de dizer do autor. Em cada texto seu, lá está a pitada de sal, a graça que faz sorrir e pensar. Os jogos de palavras, os achados felizes que tudo iluminam. Ao abordar o processo de formação de palavras, ele se toma de evolucionismos e sugere que as palavras espalham “genes etimológicos”. Compara certeiramente a Baixada Maranhense a “um pequeno Pantanal Mato-Grossense”. Recorda em Rei dos Homens os ares benevolentes de “um rei escandinavo”. Diz do rei momo Herberth Matos, com seus 140 kg, que “sambou com muita leveza”. No texto sobre o morcego Rhinolophus ferrumequinum, reinventa nelson-rodrigueanamente a figura mítica do “canalha irretocável”. Passando, muitos anos depois, defronte de sua casa de infância, tornada estabelecimento de serviços, ele se surpreende ao vê-la “com alma estranha”, mercantil, de quem “contabiliza pequenos lucros”. De José Aniesse recorda “aquele jeito de andar como quem está sempre a ponto de dar um abraço amistoso”. Na crônica sobre o pac, sentencia, machadiano, que “todos os governos são otimistas”. Sobre a volta definitiva a São Luís de Lucy Teixeira, diz que ela veio ali “ficar e fincar sua luz”. Reproduz de Machado o flash verbal que revela todo o ambiente do senado vitalício do Império: “metade militante, metade triunfante”. Narrando as interrupções de seus devaneios de criança que espiava o telhamento do prédio vizinho em construção: “e lá se iam as telhas e a imaginação”. Enfim, ao analisar a arte de contar histórias da sua e minha avó Marcelina (de puro estilo cervantino, verifiquei depois que li as Novelas exemplares), desvela o segredo de toda literatura, inclusive da crônica: ela trabalhava com “o barro da poesia que há em todas as coisas e as une”.

Aliando, assim, aos dons do espírito os do estilo, Lino cumpre o dever de ofício do escritor: agradar para construir. Eu falo por mim, estou sempre a procurar (na internet) por suas crônicas, e costumo sair delas melhor do que entrei. Daí porque eu defendo que os escritos merecem segunda vida (ou via), nessa nova embalagem mais duradoura. Chega, porém, de blá-blá-blá! Alonguei-me um pouco demais, desconfio. Mas tudo foi emoção. Resposta à honra que me deu o autor de me pedir uma apresentação. Apresentação a rigor desnecessária. O que vale mesmo é entrar no livro. Tomar assento no Cara-chata (dou garantias de que não há mais perigo de vida no fogo amigo vindo dos partidários de Eugênio Barros!), e seguir um roteiro qualquer escolhido. Contanto que, de parada em parada, de crônica em crônica, o leitor chegue até o terminal festivo do centenário da Academia Maranhense de Letras. Aí, Lino lhe entregará a prestação de contas da memorável passagem que teve pela presidência daquele sodalício. Recebê-la é um direito seu de cidadão. Pois então, só me resta desejar: boa viagem! E boa leitura!

Poço da Panela (Recife), julho/2016

7 de janeiro de 2018

Nó na cabeça

Jornal O Estado do Maranhão

          Afinal, o que desejam os aliados do governo estadual? Até este momento, decorridos três anos de poder formal, ainda se sentem e agem como oposição. As cabeças não mudaram em nada. Em decorrência de atitude como essa, reclamaram, em imenso chororô, quando Temer decidiu não nomear o deputado Pedro Fernandes ministro do Trabalho, atribuindo a decisão a suposto veto do presidente Sarney. Ora, quem desse brevíssima parada em suas atribulações do dia a dia teria tido tempo de sobra de verificar que desde o início não havia condições políticas de efetivação no cargo do indicado pelo PTB.
          Quem nomearia como seu auxiliar direto alguém ligado a político acostumado a chamá-lo de golpista, a não reconhecer sua legitimidade e, ainda, a não colocar a fotografia oficial dele no lugar certo e a manter, em vez disso, um espaço vazio onde deveria estar a legítima foto do legítimo ocupante da Presidência da República? Acreditar na nomeação do deputado é achar que o presidente está sentado naquela cadeira por acaso, é não entender nada de política, é desconhecer o jogo do poder, é subestimar o político Temer. Mas é bom levar a sério os adversários, pois, se não for assim, o risco de derrota cresce.
          Como Aquiles Emir lembrou oportunamente em seu blog, quando foi anunciado para o ministério o nome de Pedro Fernandes, cuja competência, acrescento, não está em questão, “não faltaram críticas por parte de simpatizantes de Flávio Dino (PCdoB) de que tratava-se de mais uma manobra do ex-presidente José Sarney (MDB-AP) para prejudicar o governador”. Na ocasião o parlamentar foi chamado de traidor e vendilhão do Templo, a ser expulso do espaço sagrado.
          Quando souberam da solicitação de Temer ao PTB, de indicação de outro nome, as mesmas pessoas tão zangadas antes com o indicado perdoaram seus pecados sem pedir licença ao bispo. A crítica então passou ser contra o presidente Sarney, por causa do imaginado veto. Portanto, o dono (?) da indicação seria o mesmo a vetá-la. Dá pra dormir com um barulho desses, caro leitor? Dá?
          Vejam minhas palavras no já distante 2006, em 29/10, dia da eleição presidencial, em crônica em “O Estado do Maranhão”, constante de meu livro “A casa e outras crônicas e memórias”, de 2016: “Não é de hoje meu espanto com a fixação de certas figuras da política maranhense em José Sarney. Nada acontece no Maranhão, nenhum fenômeno ocorre, natural ou social, sem que Sarney não seja invocado. Houve chuva demais ou não houve nenhuma, ventou muito ou a brisa parou de soprar? Vai ver foi Sarney. O sol queimou alguma pele sensível, a lua não apareceu, a safra quebrou, o preço subiu, a feijoada salgou? Foi Sarney. O pãozinho subiu, o café tá amargo, a manteiga rançosa? Sarney, Sarney e Sarney. Quanta homenagem!”
           É a mesma coisa agora. A turma não percebe que tudo atribuir a ele é uma forma de reconhecer seu prestígio no mundo político e em outras esferas da vida nacional, de homenageá-lo.
          Consertar essas cabeças é um trabalho para dr. Freud. Mas com cuidado, porque algumas mentes, submetidas ao tratamento inspirado pelo doutor e aplicado por linhas divergentes da corrente principal do campo da psicanálise, podem ter o nó mental apertado, não afrouxado. Aí a emenda seria pior do que o soneto.

18 de dezembro de 2017

Ângela e os bororós


Luiz Alfredo Raposo
Economista

          Deu na e-midia, a chanceler Ângela Merkel teria dito a juízes e altos burocratas que pleiteavam salários de professor: “como posso igualar vocês a quem os ensinou?” Aqui, inverso o quadro, indagam como reagiria uma Merkel presidente. Alemãmente, creio. Começaria por anotar os problemas federais: 1) os supersalários (acima do teto legal) têm um bruto dum peso na folha de ativos. 2) É enorme, frente à do INSS, a aposentadoria média do setor público. “Cópia” dos salários da ativa, ela continua a desigualdade. 3) Inviável mais imposto, está-se no nível alemão e muito aquém da renda per capita alemã. 4) No atual ciclo demográfico, o movimento de aposentações é tal, que a folha dos inativos promete comer, não demora, toda a receita orçamentária.
           É, desastre na Previdência gera desastre no Tesouro e descarta soluções via só (1) ou (3). P. ex., aumentar os professores e trazer os salários da elite ao nível alemão... O jeito seria atacar pelo (2). Em seu país, ela já fez duas reformas da Previdência: em 2007 (aumentou a idade mínima para 67 anos) e 2014. Faria, então, uma à moda Temer: generalizar o padrão INSS, pondo fim às superaposentadorias (!); em reforço, aumentar a idade mínima. Com isso, pensaria, se iria tomar a rota de sanear as contas e reduzir as desigualdades. Donde: 1) uma economia mais hígida e empregadora desde já e; 2) aos poucos (gradual a reforma) mais igualdade dentro e fora da área pública.
          E a “presidente” esperaria os progressistas para capitães da tropa reformista... Para logo vê-los e a grão-burocratas, enervados, sem dar um pio sobre privilégios em perigo, a encantar o povo com pajelança: “déficit é truque aritmético inventado por um governo que ‘rouba’ da Previdência e quer descontar no povo, podando-lhe direitos de aposentadoria”. Um primor de besteirol! Ilusionismo, sim, é escamotear que o “roubado” com uma mão está sendo (e em valor crescente) sobredevolvido com a outra. E a idade mínima é apenas a perna esquerda da reforma. E um não problema: hoje, real é o desemprego, que corta todo direito, entre eles o de aposentar-se mais cedo ou mais tarde. Vital para o trabalhador é seu emprego já. O que supõe a economia no rumo, logo a reforma.
          E a nobre dama concluiria que nossos progressistas odeiam progresso. Estão felicíssimos com o que aí está. Luta? Só por privilégios de castas. Parecem, sim, eles e seus clientes, empenhados em instruir-nos numa Lógica do tipo mágico. Da que Lévy-Strauss achou entre os bororós de Mato Grosso. Não admira que, amiúde, na Terra Brasilis, o absurdo pareça lógico e a Lógica sem adjetivo, bobagem ou tapeação. Triste Brasil, gemeria Frau Merkel em Baixo Alemão.

17 de dezembro de 2017

Imprevidência


Jornal O Estado do Maranhão

          Quando, nos anos 50, eu era um vivaz garotinho, como se dizia então, uma pessoa idosa era quase uma raridade. Muitos adultos usavam a expressão “lá vem o velho” para amedrontar as crianças dos casais com 7, 8, 9, 10 ou mais filhos e fazê-las ficar quietas. Conformação demográfica como essa, com muitos jovens e poucos idosos, aparecia numericamente como uma elevada participação percentual dos primeiros na população, característica dominante havia décadas. A pirâmide populacional brasileira era larga na base e bem fina no topo.
          Ocorreu a partir de então, como em outros países de nível de renda semelhante ao do Brasil, célere processo de urbanização, que levou à diminuição das taxas de fecundidade, com consequências importantes na nossa composição etária. A relação jovem/idoso começou, também aceleradamente, a cair. Países de renda mais alta do que a nossa passaram da mesma forma por essas mudanças, mas a velocidades muito mais baixas. Deixemos quietos, porém, por instantes, os garotos. Vamos examinar o topo da pirâmide.
          Simultaneamente à diminuição do número de nascimentos por casal, os idosos começaram a aumentar, como proporção da população total. A razão foi a melhoria geral, embora desigual por regiões, das condições de saneamento básico e de assistência à saúde; o aparecimento de novos medicamentos; a erradicação de doenças endêmicas; os avanços tecnológicos na medicina; a melhoria nos cuidados com a alimentação, etc. Tais avanços levaram ao aumento da expectativa de vida ao nascer. As pessoas passaram a viver mais e a participação dos mais velhos na população aumentou e aumenta a taxas maiores do que a do crescimento geral.
          O encontro desses dois fatores, diminuição do número de jovens e aumento do de idosos, é o gerador do déficit previdenciário, sem considerar aquela parte dele criada por aposentadorias especiais de alguns grupos de funcionários públicos. De cada 100 trabalhadores economicamente ativos em 2004, havia 43 jovens e 15 idosos. Em 2014, meros 10 anos depois, segundo o IBGE, esses números tinham mudado: jovens desceram a 33, e aposentados subiram a 21. Em 2060 haverá 24 jovens para 63 aposentados. Há cada vez menos pessoas trabalhando e contribuindo com a Previdência e mais se aposentando. O sistema é insustentável, como está hoje, pois o envelhecimento da população vai ser ainda mais rápido daqui por diante. O crescimento explosivo do déficit – constitutivo da maior parte do desequilíbrio fiscal –, é inevitável sem a reforma e levará à volta da inflação, recessão, desemprego, alta do dólar e mais.
          A reforma da Previdência não é questão de gosto, como disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles É de necessidade e, acrescento eu, de sobrevivência. A Grécia, dirigida por governo de esquerda, se recusou a fazê-la. Logo a seguir, foi obrigada a voltar atrás, adotando reformas muito mais drásticas e dolorosas, pela ameaça iminente do caos.

           Mas digo, se isso for consolo para o momento de pensarmos no futuro dos filhos e netos, que o problema será resolvido de uma forma de outra, por bem ou por mal, pois países não têm falência decretada. No entanto, eles, esses queridos filhos e netos, irão pagar uma conta multiplicada várias vezes e nos julgarão pela imprevidência de não fazê-la agora.

3 de dezembro de 2017

Infestação

Jornal O Estado do Maranhão

          A infestação da maioria das redações dos grandes veículos de comunicação pelo “pensamento” esquerdista é matéria – uso esta palavra por ser ela objeto de veneração nesses lugares sagrados, onde existem altares a seu culto e se repete a toda hora o mantra sobre matéria atrair matéria – de um dos poucos consensos no Brasil, país tão disposto a tudo transformar em discórdia, até mesmo os argumentos acerca de comunistas terem direito de morar no Leblon, ou não terem, em apartamento com vista para o mar. Eles têm, sim, pobrezinhos! Nessas redações militam mais comunistas, é avaliação consensual, do que na China inteira, país nominalmente socialista, mas, na prática, capitalista, sendo esta a razão de o país vir crescendo tanto há tanto tempo, não por causa de imaginária sabedoria milenar chinesa.
          Pois são essas hordas de passivistas políticos cheios de indignação teórica (verdadeiros passivistas não vão às ruas, apenas insuflam as massas) que fazem proclamações sobre o “recuo” do presidente Temer, ao som de trombetas modernas de uso na internet, não só em impressos em jornal, a cada lance do complexo jogo político pela aprovação de medidas propostas pelo Executivo à Câmara e ao Senado, com o fim de tirar o país do buraco onde se encontrava até poucos meses atrás, metido lá pelas administrações petistas, durante 14 anos. O tom dos anúncios faz pensar a quem os lê pisando distraído nas estrelas que os projetos são de interesse pessoal do presidente e vitais à sobrevivência dele, de Michelzinho e de Marcelinha. O mais chocante, porém, é, nas proclamações, perceber-se assombrosa ignorância sobre o fazer político democrático.
          Se o Legislativo fosse obrigado a aprovar sem alterações os projetos que ali chegam, estaríamos na Coreia do Norte, não no Brasil. O recuo é apenas a aplicação da regra política mais elementar: cede-se em um ponto para garantir outro. Dilma e o PT tratavam o Congresso e as lideranças políticas a chicotadas. Terminaram sem mel nem cabaça. Afoitos, queriam ganhar tudo, e perderam. Temer, ao contrário, venceu todas as disputas até aqui, livrando o Brasil do caos. Se Dilma tivesse continuado, seria a queridinha das redações, dos blogs sujos e de Dallagnol – adepto do assassinato da moral pelo moralismo –, embora com o país no fundo do poço, com água pelo pescoço e sob forte temporal.
           Estas são marcas de habilidade: saber negociar; avaliar corretamente o momento de ceder ou não; agregar pessoas e não as desagregar, metendo-lhes os pés no traseiro; não se deixar levar pelas próprias idiossincrasias e as de outros; não subestimar os adversários, primeiro passo para a derrota certa. Em resumo, ser um político na melhor acepção da palavra. Não muitos possuem essas qualidades, como Temer possui, entre esses o presidente Sarney, que as tem de sobra.
          No Maranhão, as promessas de mudanças, sobretudo na economia e na política, prometidas há três anos em discurso com resquícios do obsoleto pensamento comuno-estruturalista, não se cumpriram nem se cumprirão. A ação da Polícia Federal e de diversos órgãos de controle mostra muito bem essa verdade. Vemos, em verdade, desculpas também velhas, no estilo Lula: “Eu não sabia, a culpa é do passado”.

Machado de Assis no Amazon